quinta-feira, 2 de julho de 2015

Uma boa e saudavel iniciativa. Desejamos todos sucessos as estes músicos.

Cultura e Lazer

        
                              
Cultura e Lazer | 2:13 | 22/06/2014

Haitianos montam banda de música em Curitiba

Proposta do grupo Recif é mostrar a cultura haitiana por meio do compas, ritmo mais tradicional do país.

terça-feira, 30 de junho de 2015

Informação de SC e ACRE = junho de 2015

Audiência discute situação de imigrantes haitianos e africanos em SC
Audiência foi promovida pela Comissão de Direitos Humanos da Assembleia. FOTO: Miriam Zomer/Agência AL
Falta de documentação e dificuldades com o idioma foram algumas das dificuldades apontadas pelos participantes da audiência pública que discutiu a situação dos imigrantes de países africanos e americanos, em especial do Haiti, que vivem em Santa Catarina, realizada na noite desta quarta-feira (24), na Assembleia Legislativa. O encontro foi promovido pela Comissão dos Direitos Humanos do Parlamento catarinense. Entre as conclusões da audiência, a necessidade de políticas públicas que atendam os imigrantes, a revisão da Lei do Estrangeiro e o melhor planejamento das ações voltadas à recepção dos imigrantes por parte do poder público.
“Nosso objetivo com essa audiência é apontar caminhos para garantir que os imigrantes tenham acesso a direitos básicos, como trabalho, moradia, saúde, educação, e que também não sejam vítimas de discriminação que alguns setores querem passar”, explicou o presidente da comissão e proponente da audiência, deputado Dirceu Dresch (PT).
Grupos e associações de imigrantes do Haiti e de países africanos, como o Senegal, acompanharam a audiência. Entre os principais pedidos, a disponibilização de documentação para que os imigrantes possam regularizar sua situação no Brasil, a promoção da cultura haitiana e a convalidação de diplomas estrangeiros. “O Brasil é um país acolhedor e tem várias possibilidades para um estrangeiro. Nosso objetivo é contribuir com o progresso dessa grande pátria, com respeito e paz”, afirmou o presidente da Associação de Haitianos de Florianópolis (Kay Pa Nou), Chery Clarens.
A antropóloga Tanajara da Silva, da Pastoral do Imigrante, apresentou os resultados de um estudo sobre os imigrantes em Santa Catarina. Só neste ano, no estado, foram emitidas mais de 2 mil carteiras de trabalho para haitianos. “Nós temos necessidade inadiável de criar um conselho estadual de apoio ao imigrante, de inseri-los no ambiente escolar, de convalidar seus diplomas”, afirmou Tanajara, que apontou várias outras ações, entre elas a revisão da Lei da Imigração, elaborada ainda durante o regime militar.
A representante da Cáritas Brasileira, Fabiana Gonçalves, também defendeu mudanças na legislação sobre os estrangeiros. “Foi uma lei que estava preocupada com a segurança nacional, e não com o bem-estar das pessoas que vêm pra cá em busca de melhores oportunidades, que deixam seus países de origem não porque querem, mas porque precisam sobreviver”, destacou.
Mais imigrantes
A secretária de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação, Angela Albino, revelou que mais imigrantes devem chegar ao estado nos próximos dias. “São 43 ônibus que estão vindo do Acre”, comentou. “Boa parte deles já chega com referência familiar ou de amigos ou com oportunidade de emprego, mas alguns não têm onde ficar”, completou.
Angela afirmou que a secretaria vai receber os haitianos que chegarem a Florianópolis no ginásio de esportes Capoeirão, a exemplo do que ocorreu no final de maio, quando os primeiros imigrantes do país caribenho chegaram ao estado. A secretária também defendeu a revisão da Lei do Imigrante e a criação de uma política de acolhimento, que atue de forma preventiva.
A deputada Luciane Carminatti (PT) também defendeu a criação de políticas de acolhimento aos imigrantes. “Chama a atenção a dificuldade de humanizar essa relação, de acolhimento, de respeito, de se entender que são seres humanos, independente da cor da pele e da condição social, que estão em busca de melhores condições de vida”, disse.

Luciane citou como exemplo o projeto desenvolvido pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) em Chapecó que oferece vagas em cursos superiores para os haitianos que trabalham na região. A professora Sandra Farias Bordignon, responsável pelo projeto, afirmou que o objetivo é dar visibilidade ao tema e inserir os haitianos no meio acadêmico. “O idioma é a nossa maior barreira”, considerou.
Marcelo Espinoza
AGÊNCIA AL

Fonte: http://agenciaal.alesc.sc.gov.br/index.php/noticia_single/audiencia-discute-situacaeo-de-imigrantes-haitianos-e-africanos-em-sc

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Novos grupos de imigrantes são esperados para o sul do Brasil

Abrigo no Acre está com 400 pessoas, quando capacidade é de 110

Enviar para um amigo

Novos grupos de imigrantes são esperados para o sul do Brasil Roni Rigon/Agencia RBS
Imigrantes continuam chegando diariamente no país e em Caxias do SulFoto: Roni Rigon / Agencia RBS
Diego Mandarino/ Rádio Gaúcha Serra
Mais imigrantes que chegaram ao Brasil pelo Acre poderão se deslocar ao sul do Brasil. Conforme o coordenador do abrigo de acolhimento mantido pelo governo estadual na capital Rio Branco, Antonio Crispim, o espaço está sendo ocupado por 400 pessoas e a capacidade é de 110. Quarenta pessoas chegam ao local por dia, ou 1.200 pessoas por mês, vindo de ônibus pela cidade de Assis Brasil, na fronteira com Peru e Bolívia: 

— Há pouco, um ônibus com 44 pessoas estava chegando — informa. 

Grande parte dos imigrantes está dormindo no chão. Segundo Crispim, um novo encaminhamento está sendo feito pelo estado do Acre junto ao Governo Federal para financiar o deslocamento dos imigrantes ao sul do Brasil. Eles são haitianos, dominicanos, senegaleses, ganeses e de Bangladesh. Há uma criança filha de haitianos que nasceu no Equador, durante a viagem. As tratativas do governo acriano ocorrem junto ao Ministério da Justiça.

A maioria quer se deslocar a São Paulo. Outros perguntam onde há emprego. Uma parte passa apenas uma noite no abrigo e no dia seguinte tira o CPF nos Correios, compra passagem e se desloca para outra cidade do país. Outros, no entanto, que não têm dinheiro, ficam até dois meses, afirma o coordenador. Crispim explica que um questionário será feito com os imigrantes que estão no abrigo para que eles informem se há amigos ou conhecidos que já estão no país afim de buscar o melhor destino — isso até 12 horas antes da viagem, para que o poder público possa intermediar a compra de passagens via recursos federais.

Mas o governo do Acre ainda não sabe quando esse convênio vai se concretizar, pois depende de resposta formal do Governo. Nesse caso, haverá articulação com estados e municípios para organizar a recepção dos grupos, garante o coordenador.

A irmã Maria do Carmo dos Santos Gonçalves, do Centro de Atendimento ao Migrante (CAM) de Caxias do Sul, aponta outra situação, confirmada por Crispim: muitos imigrantes compram passagens de ônibus com recursos próprios, escolhendo destinos onde terão trabalho ou uma rede de parentes ou amigos. Como a comunidade de imigrantes já é significativa em Caxias do Sul, e essa rede pode acolher novas pessoas, a procura também é contínua e novos imigrantes chegam diariamente. 

Com a situação econômica e menos vagas de emprego na cidade serrana, os novos imigrantes têm mais dificuldade e passam mais tempo sem emprego. No início deste mês, quase 200 imigrantes buscavam emprego na cidade.

Mas Maria do Carmo diz que, apesar da demora, não há falta de trabalho. 

— Semana passada duas empresas nos procuraram buscando mão de obra migrante.

Segundo a irmã, trata-se de empresas de cidades menores da Serra onde já não há mais mão de obra. Cerca de 3 mil senegaleses moram em Caxias do Sul e outros grupos significativos vieram à cidade principalmente do Haiti e de Gana.
Fonte: http://pioneiro.clicrbs.com.br/rs/geral/cidades/noticia/2015/06/novos-grupos-de-imigrantes-sao-esperados-para-o-sul-do-brasil-4788062.html

terça-feira, 23 de junho de 2015

Mensagem para o dia do Migrante e Refugiado = 20 de junho de 2015


Dia Mundial do Refugiado e Semana Nacional do Migrante

“Eu te dou coragem, sim, eu te ajudo”

“Não tenhas medo, que eu estou contigo. Não te assustes, que sou o teu Deus. Eu te dou coragem, sim, eu te ajudo.” (Is 41,10)

                São tantos os gritos e as dores: dos que fogem da guerra civil na Síria, de milhares de migrantes e refugiados – de países africanos, do oriente médio e de tantos países - que perderam pessoas queridas tragadas pelas águas do Mar Mediterrâneo, na tentativa de chegar à Europa. Intolerâncias religiosas, étnicas e outras formas de rechaço, discriminação e de vulnerabilidade social expõem milhões de pessoas a condições de extremo sofrimento, de abandono, de morte em alto mar, em desertos, em caminhos à busca de simplesmente de sobrevivência. É fácil fechar os olhos ou adotar uma atitude de indiferença! Algumas vezes dizemos: O que podemos fazer se somos poucos, se não temos poder político ou econômico?

Celebrar o dia dos migrantes e dos refugiados é um desafio diante deste cenário internacional, e mesmo no Brasil, onde crescem resistências aos haitianos, aos senegaleses, aos ganeses, aos congoleses e a tantos outros que continuam a chegar ao nosso País. As dificuldades ou crise econômica e política, às vezes como escusa, levam a questionamentos no que tange ao acolhimento e proteção destas pessoas em mobilidade humana.

Celebrar é dizer não às violências, é romper o silêncio e contribuir para que o grito das vítimas seja ouvido e suas palavras fundamentem políticas de acolhimento, de solução dos conflitos, de reafirmação da dignidade humana acima das fronteiras e dos interesses presentes na globalização da indiferença ou mesmo dos medos infundados de que o outro seja um concorrente ou uma ameaça. Para que este “dizer não às violências” seja verdadeiramente profecia é preciso seguir de perto o que nos propõe o profeta Isaías (41,10):

Ø          Independente de quão grave esteja a situação e os riscos pelos quais estão passando migrantes e refugiados, há sempre uma certeza – o Senhor está conosco e nos diz ‘não tenhas medo’. O medo paralisa e muitas vezes nos impede de ver alternativas, grupos de apoio e solidariedade, mãos amigas e fraternas. Não tenhamos medo!

Ø          É Deus quem nos dá a coragem para persistir quando ‘tudo’ à nossa volta parece nos levar à derrota. Deus se faz presente quando transformamos a boa vontade e nossa fé em ações efetivas de proteção à vida humana, sem preconceitos ou barreiras de qualquer ordem. A ‘AJUDA’ é gesto concreto que viabiliza políticas, articula espaços de acolhimento, gera solidariedade, dinamiza a criatividade na busca de soluções do que for emergencial e do permanente, contribui para a continuidade de tradições e percursos identitários.

Enfim, celebramos por acreditarmos que, juntos, estamos tecendo uma rede de solidariedade cujos fios estão presentes por todo o Brasil nas várias organizações, serviços e pastorais voltadas para o povo em mobilidade humana.  São sinais, formas de presença, ações, exemplos de doação que apontam e nos conduzem ao nosso sonho de uma terra sem males onde todos possamos viver com dignidade, como filhos e filhas de Deus.

  +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

MENSAGEM DA PASTORAL DO MIGRANTE - DIA DO MIGRANTE

Sociedade e Migração.

Não ao preconceito, por direitos e participação!

 

Que relações há entre a imigração contemporânea no Brasil e as migrações de cerca de 240 milhões de pessoas em todo o mundo, inclusive as da costa do mar mediterrâneo em direção a Europa? 

Podemos considerar ao menos três aspectos comuns à imigração no Brasil e no mundo: O primeiro é que muitos imigrantes são fugitivos da pobreza; da vergonhosa desigualdade social; de perseguições políticas, religiosas; preconceitos; de violências contra minorias étnicas; etc. O segundo aspecto tem a ver com as mudanças climáticas aceleradas pelo intenso ritmo de produção e consumo que está levando o planeta ao colapso ecológico e ameaça a vida na Terra; do não acesso à água potável; de catástrofes naturais, como tsunamis, terremotos. E o terceiro aspecto relaciona as migrações às crises econômicas; guerras; grandes obras, grandes eventos; à impunidade de crimes como tráfico de pessoas e trabalho escravo que, de acordo com a ONU (2013), logo atrás do tráfico de drogas e de armas, são o terceiro crime mais praticado no mundo e movimentam cerca de 32 bilhões de dólares por ano, o que os coloca entre as atividades criminosas mais lucrativas da economia globalizada; à escassez de políticas migratórias que viabilizem a promoção do migrante como pessoa de direitos, de saberes que contribuem para o bem estar das comunidades que o acolhem. A maioria dos 240 milhões de migrantes no mundo atual vivencia problemas sociais semelhantes aos vividos por muitos imigrantes que tentam melhorar ou recomeçar suas vidas em terras brasileiras.

motivos reais para alardes sobre uma “invasão de estrangeiros” no Brasil? Segundo o Eurostat Statistic (2015), em 2012 havia 33,3 milhões de imigrantes na Europa, ou 6,6% da população do continente. A Alemanha e a França tinham, respectivamente, cerca de 12% e 11% de imigrantes. Em 2013, os EUA tinham 46 milhões de imigrantes, 15% de sua população. Já os brasileiros que vivem e trabalham em outros países chegam a 2,8 milhões de pessoas. Ora, os imigrantes que vivem e trabalham no Brasil são cerca de 1,8 milhão de pessoas, ou, 1% de nossa população. É falso falar em “invasão de estrangeiros” no Brasil. Isto só estimula o preconceito e a xenofobia. Na verdade, a sociedade brasileira formada por imigrantes pode ou deve buscar compreender a realidade da imigração; discutir e pressionar os governos para implementar políticas migratórias humanitárias, como o direito universal a acolhida.

Para além da xenofobia, preconceito étnico e racial: No final do Séc. XIX e início do Séc. XX, a imigração no Brasil era branca, de origem europeia, voltada para o colonato e o trabalho assalariado. Hoje, como antes, a imigração permanece voltada para o trabalho; a condição social e econômica dos imigrantes de antes e dos de hoje se caracteriza pela vulnerabilidade. Hoje, como antes, eles fogem da pobreza e trazem a esperança de conquistar respeito, dignidade, e, também trazem a capacidade de contribuir, a partir do seu trabalho, da sua cultura, para alcançar melhor padrão de vida para todas as pessoas. O que mudou então para que a xenofobia e o preconceito sejam tão acintosos como vemos nas redes sociais e nas ruas? Mudou a cor da pele e procedência dos imigrantes. Antes eram brancos europeus. Hoje são negros africanos e caribenhos destinados a postos de trabalho de baixa remuneração, como babás, frentistas, caixas de supermercados, açougueiros, ajudantes gerais, faxineiros, etc.

Há que se considerar também a migração interna no Brasil. Apesar de não constar na agenda política, ela é intensa e suas causas não são diferentes daquelas que motivam a imigração internacional. Em geral, os migrantes internos fogem de violências; da pobreza; conflitos agrários; de enchentes devastadoras; da falta de água potável; etc. Se antes as migrações internas eram percebidas através dos fluxos de nordestinos para a Região Sudeste, de sulistas para as respectivas Regiões Norte e Centro Oeste, hoje o mapa das migrações internas mostra fluxos migratórios mais complexos e voláteis entre todas as regiões brasileiras. De acordo com o IBGE (2010), a expansão do agronegócio e das grandes obras contribuiu para diversificar as rotas migratórias e os rostos dos migrantes. Em sua maioria eles são Indígenas, quilombolas, camponeses, ribeirinhos, operários, jovens (moças e rapazes) que buscam trabalho, estudo, tratamento de saúde e trazem esperanças, saberes vitais às nossas necessidades básicas, como alimentação, diversão, estudos, serviços, etc.

Políticas públicas e imigração: a imigração não é um fato isolado, nem exclusivo de um país. Então, como tratá-la de forma articulada e com foco na garantia de direitos? Não há fórmulas prontas e o caminho é sinuoso. Porém, não há dúvida da urgência de políticas de gestão humanitária da imigração, articuladas entre regiões de origem, trânsito e destino dos migrantes. E nesse aspecto o Brasil precisa dar passos concretos e ágeis. Essas políticas devem viabilizar processos justos e acessíveis de documentação, acesso ao trabalho decente, à moradia, à saúde, ao aprendizado da língua, a programas culturais e pedagógicos, como formas de inculturação, prevenção e enfrentamento ao preconceito e à xenofobia.

Ao abordar o tema sociedade e migração, a Pastoral dos Migrantes convida todas as pessoas e instituições a considerar os migrantes como dons e oportunidades de novos caminhos para a humanidade. Eles nos convidam a abrir a mente, as economias, as políticas; a vencer o medo; a enriquecer nossas culturas; estimulam-nos a derrubar fronteiras e revelam-nos que somos filhos e filhas da mesma pachamama (Mãe Terra). Trata-se de respeitar suas visões de mundo, saberes e experiências fundamentais para a construção de outros mundos possíveis. E possíveis porque já existentes nas práticas cotidianas de pessoas e comunidades. Possamos assim recriar uma nova sociedade, na qual a pátria de todos seja o mundo e o idioma seja o amor, que é sempre capaz de fazer novas todas as coisas.

 

Serviço Pastoral dos Migrantes – SPM- 30 anos rompendo fronteiras com os migrantes!

21 de junho/2015

 

terça-feira, 2 de junho de 2015

Noticia 02-06-2015

Haitianos que chegam a São Paulo vivem dias de fome e desemprego

Camila Neumam
Do UOL, em São Paulo
A leva de haitianos vindos do Acre para São Paulo (SP) vive dias difíceis. Boa parte deles se amontoa em instalações da Paróquia Nossa Senhora da Paz, no centro da capital paulista, onde fica a Casa do Migrante, comandada pelo padre italiano Paolo Parise.

Conhecido ponto de imigrantes que chegam a São Paulo, o local está lotado porque do dia 17 a 22 de maio chegaram pelo menos dez ônibus, com 44 haitianos cada um, vindos do Norte do Brasil. Sem condições de abrigar tanta gente, falta comida e estrutura no abrigo que também recebe africanos e latinos.

Parise faz o que pode e vem atraindo empresários para o abrigo no intuito de encontrar trabalho para os haitianos.

Por lá os imigrantes já foram vacinados e tiraram a carteira de trabalho. Porém, como estão doentes e famintos, muitos haitianos nem sequer têm forças para trabalhar. Outros sofrem também com a ausência da família e a dificuldade de conseguir emprego. Desolados, permanecem aos montes deitados sem rumo nas proximidades da igreja.

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Notícia - Porto Alegre - Rio Grande do Sul

Rio Grande do Sul     



26/05/2015 05h44 - Atualizado em 26/05/2015 10h44

Imigrantes haitianos e senegaleses desembarcam em Porto Alegre

Grupo chegou à rodoviária da capital na madrugada desta terça-feira (26).
Segundo secretário, dos 12 que chegaram, 11 já têm onde ficar.

Imigrantes desembarcaram na rodoviária de Porto Alegre (Foto: Reprodução/RBS TV)Imigrantes desembarcaram na rodoviária de Porto Alegre (Foto: Reprodução/RBS TV)
Aguardados desde o fim da semana passada, imigrantes haitianos e senegaleses vindos de Rio Branco, no Acre, finalmente desembarcaram em Porto Alegre na madrugada desta terça-feira (26). Depois da passagem por Florianópolis, em Santa Catarina, 12 chegaram em dois ônibus à rodoviária, por volta das 4h30.
De acordo com o secretários municipal dos Direitos Humanos, Luciano Marcantônio, que recebeu os estrangeiros, 11 já têm onde ficar, em casas de familiares ou parentes em cidades do interior do Rio Grande do Sul.
"Finalmente chegaram, foi de muita emoção para nós, são 10 senegaleses e dois haitianos. Recebemos eles com muito carinho. Chegam assustados, mas se ambientam rapidamente, veem a postura acolhedora e ficam mais à vontade", diz ao G1 o secretário.
Após o desembarque, os imigrantes foram levados a uma lanchonete para tomar café da manhã. Depois, os que já tem destino no interior do estado seguem viagem - a maioria para Passo Fundo, na Região Norte, e Caxias do Sul, na Serra -, e o estrangeiro que não tem lugar certo para se hospedar pode ser encaminhado para o Centro Humanístico Vida, na Avenida Baltazar de Oliveira Garcia, 2132, bairro Sarandi, Zona Norte da capital. No local, são recebidas doações como roupas, material de higiene e botijões de gás.
Conforme o secretário, a prefeitura continua atenta para a possível chegada de novos imigrantes nas próximas horas ou dias. "Estamos atentos desde a madrugfada de sexta para sábado. Estamos atentos 24 horas por dia", ressalta.
Pelo desencontro de informações, equipes da prefeitura se encaminharam à rodoviária nas últimas madrugadas à espera da chegada de imigrantes à capital. Em entrevistas recentes, o secretário Marcantônio reclamou de não ter sido avisado previamente sobre o envio dos ônibus e, com isso, não ter tido tempo para preparar um planejamento mais adequado.
Por essa confusão que se gerou, foi agendada uma reunião na quarta-feira (27) em Brasília, em um encontro solicitado pela Prefeitura de Porto Alegre com as autoridades acreanas, mediada pelo Ministério da Justiça.
Em novembro de 2014, chegaram à rodoviária de Porto Alegre ônibus com cerca de 300 haitianos vindos do Acre. Na época também não houve aviso prévio por parte das autoridades acreanas. Apenas 20 ficaram na cidade, onde conseguiram emprego e moradia. Os demais, partiram para outros destinos.
As viagens são pagas com o dinheiro de um convênio firmado pelo governo do Acre com o Ministério da Justiça. A prefeitura chegou a prever que cerca de 400 haitianos e senegaleses desembarcariam em Porto Alegre.
A maioria dos 12 imigrantes que desembarcaram seguirão para cidades do interiro do RS (Foto: Reprodução/RBS TV)A maioria dos 12 imigrantes que desembarcaram seguirão para o interiror (Foto: Reprodução/RBS TV)
 
Haitianos no Brasil
A imigração de haitianos que deixaram a terra natal com destino ao Brasil ganhou força em 2010, quando um forte terremoto deixou mais de 300 mil mortos e devastou parte do país. Eles vêm ao Brasil em busca de uma vida melhor e de poder ajudar familiares que ficaram para trás.
Para chegar até o Acre, eles saem, em sua maioria, da capital haitiana, Porto Príncipe, e vão de ônibus até Santo Domingo, capital da República Dominicana. Lá, compram uma passagem de avião e vão até o Panamá. Da cidade do Panamá, seguem de avião ou de ônibus para Quito, no Equador.
Por terra, vão até a cidade fronteiriça peruana de Tumbes e passam por Piura, Lima, Cusco e Puerto Maldonado até chegar a Iñapari, cidade que faz fronteira com Assis Brasil (AC), por onde passam até chegar a Brasiléia, também no Acre.

terça-feira, 26 de maio de 2015

Noticia 26-05-2015

Migração26/05/2015 | 13h26Atualizada em 26/05/2015 | 13h33

Voluntários criam e distribuem manual de adaptação para haitianos em SC

Livreto traz dicas para imigrantes e dicionário em português, francês e crioulo haitiano

 
Voluntários criam e distribuem manual de adaptação para haitianos em SC Thaynara Danilo/Arquivo pessoal
Voluntários deixaram 27 manuais no abrigo em Florianópolis, na manhã desta terça Foto: Thaynara Danilo / Arquivo pessoal
Enquanto haitianos abrigados no Capoeirão, em Florianópolis, ainda estranham todas as novidades que encontram em uma terra desconhecida, um grupo de catarinenses tenta ajudá-los a superar o processo de adaptação.

Voluntários criaram, imprimiram e começaram a distribuir, na manhã desta terça-feira, uma espécie de "manual de adaptação" e dicionário para os imigrantes, com dicas que vão de como pedir um táxi a como pronunciar fonemas comuns no Brasil, mas incomuns em outros idiomas.

Terceiro ônibus com imigrantes haitianos chega a Florianópolis
No Oeste de SC, as indústrias que foram atrás dos haitianosRafael Martini: "Todos temos sangue negro, índio e europeu"

O livreto – escrito em português, francês e crioulo haitiano – foi criado a partir de um extenso arquivo montado de forma colaborativa dentro do maior canal de comunicação direta entre haitianos no país, o grupo no Facebook Haitianos no Brasil (oficial)".

Na página, as dicas vão ainda mais longe e ensinam coisas que, para um brasileiro, são bastante óbvias: telefones de emergência, instruções para abrir uma conta no banco, um currículo padronizado e uma espécie de lista básica para compras de supermercado.

:: Confira o manual e dicionário na íntegra:



— Conheci um haitiano em Joinville e me sensibilizei com a situação que sua família enfrentava. Começamos a perceber que eles confundiam coisas que parecem óbvias para nós brasileiros, e isso dificultava bastante o processo de adaptação — relata o empresário Marcelo Gonçalves, criador do grupo e um dos três autores do manual.

Gonçalves conta que trabalha com idiomas no Norte de SC e, interessado na troca de experiências culturais com os haitianos, criou o grupo na internet. Hoje a página tem mais de 3 mil membros e serve tanto como espaço para discussões sobre a adaptação no Brasil, por exemplo, quanto para facilitar a interação entre haitianos que vieram para cá, mas moram longe um do outro.

Na manhã desta terça-feira, a professora de idiomas Thaynara Danilo foi até o abrigo em Florianópolis e deixou 27 manuais – alguns diretamente com haitianos, outros com a equipe da assistência social da prefeitura.

Fiesc: imigrantes ocupam postos dispensados por brasileiros
Mais de 3 mil estrangeiros chegaram ao Sul de SC em 2014

Ela relata que grande parte dos imigrantes que chegaram à cidade já foram embora, mas como mais ônibus são aguardados para os próximos, resolveu levar materiais extra e deixar com os responsáveis pelo abrigo.

— Eu já tinha entregue alguns manuais para haitianos que trabalham num posto de gasolina no Centro em outra ocasião, há tempo. No abrigo, mesmo só conseguindo conversar por um tradutor, foi legal vê-los folheando e perguntando coisas sobre o país — conta.

Número de haitianos em SC é incerto
Desde que a contratação dos ônibus que trariam os imigrantes haitianos e senegalenses para o Sul foi anunciada, o Governo do Acre repassou pouquíssimos dados para os municípios que os receberiam. Até o momento, a Prefeitura de Florianópolis não sabe, por exemplo, qual o tamanho da estrutura que deve montar para recebê-los.

No ano passado, a Secretaria Estadual de Assistência Social, Trabalho e Emprego (SST) fez tentativa frustrada de ter um mapeamento mais elaborado. Enviou questionários a todas as prefeituras catarinenses para tentar traçar um perfil dos imigrantes – idade, escolaridade, situação profissional –, mas menos de 30 cidades repassaram as informações.

Levantamentos preliminares mostram que grande parte dos imigrantes que chegam a Santa Catarina busca nova morada no Sul, Oeste, Litoral e Vale do Itajaí, espalhando-se por todo o Estado, o que dificulta o acompanhamento e o desenvolvimento de políticas públicas.

Segundo a SST, a política de atendimento aos estrangeiros em vulnerabilidade é a mesma oferecida aos demais cidadãos. Famílias de imigrantes devem procurar os Centros de Referência de Assistência Social (Cras) para serem inseridos no cadastro único do governo federal e ter acesso a programas públicos e cursos de qualificação profissional.

A maior parte dos imigrantes que chega a SC já tem destino certo, indicados por amigos ou parentes. Sem conhecimentos da região e com pouco dinheiro, acabam dependendo de uma rede de apoio que envolve poder público, iniciativa privada e até ações individuais.

Muitos dependem deste suporte até conseguir se firmar, trabalhando principalmente em frigoríficos, na metalurgia e na construção civil, segundo a Federação das Indústrias de SC (Fiesc).
DIÁRIO CATARINENSE

domingo, 24 de maio de 2015

Noticia 24-05-2015.


Fluxo migratório 24/05/2015

Ativista alerta país para o drama dos haitianos no Brasil 

MARCELO CAMARGO/ABR
Missão no Haiti incentiva vinda ao Brasil atrás de oportunidades

 
O Brasil ainda não atentou para a necessidade de estabelecer políticas de acolhimento e políticas multiculturais fim de atender à demanda de haitianos que chegam ao país, diz o historiador Miguel Borba de Sá, integrante da Rede Jubileu Sul, ao participar, semana passada, de Seminário Nacional sobre o Haiti, em São Paulo.

Segundo ele, há uma relação da chegada dos haitianos ao país com a Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah), ocorrida desde 2004. “Não há uma percepção de que esse grande influxo de imigrantes haitianos tem a ver com a própria ocupação militar do Brasil (no Haiti)”, disse.

“O Brasil vai ao Haiti, dá demonstrações de riqueza e poder, com armas e com sua seleção brasileira, e depois não espera isso de volta. Não espera que quem está lá com uma vida totalmente impossibilitada de ter uma vida digna, olhe para o Brasil como um espaço de esperança?”, completou.

Mas, segundo o historiador, ao chegar ao Brasil os imigrantes percebem que existem dificuldades a ser enfrentadas e descobram que a sociedade brasileira também é muito desigual. De acordo com Miguel Borba, os imigrantes haitianos chegam com ensino superior, falando dois ou três idiomas, e acabam subempregados na construção civil, na indústria têxtil ou no mercado informal, submetidos à falta de direitos e muitas vezes em condições análogas à escravidão.

Leonildo Rosas, porta-voz do governo do Acre, ao abordar o problema que a imigração ilegal vem causando ao estado, destacou que, só de terça-feira (19) para quarta-feira (20), chegaram ao Acre mais 220 imigrantes, a maioria formada por haitianos. Segundo ele, a suspensão do deslocamento dos estrangeiros para São Paulo – decidido com o governo paulista e o Ministério da Justiça – vai fazer com que o problema continue concentrado no estado acriano.